Chuva Delta Aquarídeos terá até 25 meteoros por hora e será observada no Brasil

Tempo de leitura: 3 minutos


A Delta Aquarídeos do Sul é uma chuva de meteoros intensa que não oferece riscos; pico ocorre na madrugada desta terça (30) e visualização é favorecida durante a fase da Lua Nova. Foto mostra chuva de meteoros líridas vista na Turquia em abril de 2014
Fatma Selma Kocabas Aydin/Anadolu Agency/AFP/Arquivo
A chuva de meteoros Delta Aquarídeos do Sul, que ocorre até o dia 23 de agosto, terá o seu pico na madrugada desta terça-feira (30) e será visível em todo o Brasil. O fenômeno pode ter até 25 meteoros por hora e será melhor observado entre as 2h e as 4h da manhã. A fase da Lua Nova está propícia para a observação a olho nu, porque a luminosidade do astro não deve ofuscar os meteoros, segundo o Instituto Exoss Citizen Science.
A Delta Aquarídeos do Sul é uma chuva de meteoros intensa que acontece periodicamente e é melhor observada no Hemisfério Sul. O fenômeno não traz riscos.
Os observadores poderão ver no céu os meteoros que, ao romper a atmosfera, provocam um brilho intenso, o que pode parecer com uma “bola de fogo”. Além disso, pode ser possível observar ainda os rastros deixados pelos meteoros, que são conhecidos como “estrelas cadentes” e formam traços rápidos e luminosos no céu.
Meteoros são fragmentos de cometas e asteroides que, ao mergulharem na atmosfera, esquentam tanto que acabam ficando incandescentes.
Durante a chuva de meteoros Delta Aquarídeos do Sul, a Terra atravessa uma nuvem de detritos e fragmentos que atingem a atmosfera em alta velocidade, chegando a até 41 quilômetros por segundo.
A nuvem de detritos que interage com a atmosfera terrestre para provocar este fenômeno é originária do cometa 96P/Machholz. Trata-se de um cometa que orbita o Sol a cada cinco anos. Seu núcleo tem cerca de 6,4 quilômetros de diâmetro, pouco mais da metade do tamanho do meteoro que teria atingido a Terra e acabado com os dinossauros.
O Instituto Exoss Citizen Science é uma organização sem fins lucrativos que busca estudar meteoros e bólidos, suas origens e características. Participam astrônomos e amadores das observações do grupo. Entre os parceiros estão a Sociedade Americana de Meteoros e a Organização Internacional de Meteoros.
O que são chuvas de meteoros
Se você for para um lugar bem escuro e prestar atenção no céu durante algum tempo, vai ver de vez em quando um traço brilhante bem rápido. Os traços são as famosas “estrelas cadentes”, que de estrela não têm nada. Os rastros são partículas de poeira, ou pequenas rochas que são capturadas pela gravidade da Terra e, ao mergulharem na atmosfera, se esquentam tanto que acabam ficando incandescentes.
Na grande maioria das vezes, o aquecimento é tamanho que a partícula acaba evaporando. Dependendo das condições do céu, é até possível ver o rastro de fumaça. Algumas vezes um objeto não tão pequeno entra na atmosfera produzindo um clarão intenso e, por este motivo, é chamado de “bola de fogo”.
Esses são os meteoros. Se por acaso um deles sobreviver ao aquecimento na atmosfera e chegar ao solo, ele recebe o nome de meteorito.
Todos os dias, milhares de toneladas de material são capturados e se queimam na atmosfera, alguns sobrevivem e atingem o solo, mas a ideia é que são eventos aleatórios. De vez em quando, dá para perceber que há mais eventos desses acontecendo. Uma observação cuidadosa vai mostrar que os meteoros parecem todos surgir de um mesmo ponto no céu. Essas são as chuvas de meteoros.
Como observar meteoros
Para observar uma chuva de meteoros você precisa ir para um local escuro, mas sobretudo seguro!
A maioria dos meteoros é muito fraca para se ver em cidades, apenas alguns poucos são brilhantes;
Como você precisa olhar para o céu o tempo todo, é bom fazê-lo deitado ou com uma daquelas cadeiras de praia para evitar um torcicolo;
Olhe para a direção nordeste – apesar de os meteoros cruzarem uma boa parte do céu, olhar para a direção do radiante facilita.

Deixe uma resposta